Sobre o colorido da vida

Não, a vida nem sempre é bela. E nem tudo são flores. Não mesmo. Eu não entrei numa vibe de só ver o lado bom da vida, que tudo tem um lado positivo. Antes de tudo nessa vida, eu sou realista. E, nos dias de hoje, ser realista nos leva a ser, às vezes, pessimista. Há aqueles dias em que a gente levanta da cama e sente pena da humanidade, sente vontade de criar um mundo próprio, só pra não ver as coisas que nos incomodam, causam nojo e revolta. Porque todo mundo precisa de um descanso. De um tempo. E eu disse descanso, não refúgio. Fugir não dá certo. Se há algo a se resolver, vá lá, encare de frente, por mais feio que seja. Fugir só vai fazer com que tudo volte ainda pior ali na frente. Fantasmas, sejam de que tipo forem, quando ignorados só ganham mais força.
Sempre fui o tipo de pessoa que valoriza a verdade. Por mais doída que ela seja. E bem digo, ela nunca é feia. A verdade é limpa e clara, translúcida, faz com que a gente enxergue além. Muito além. Desde que eu  era pequetita, não adiantava tentar esconder a verdade de mim. Eu sempre tentava ir além, vasculhava nos mínimos detalhes, até chegar onde queria. Ah! Aí está você… meu coração disparava, mas eu seguia. Quando ela vinha coberta de palavras bonitas, ou por trás de sujeiras, puxava tudo que a envolvia. E ali estava a luz. Às vezes bate desespero, socorro, não vou conseguir, certeza que vou morrer. Mas nem assim eu parei. E não paro. Nem pretendo parar. A verdade está sempre ao nosso redor, muitas vezes à nossa frente. E não, ela não cega. O que cega são as vestimentas que colocamos nela. Sejam elas em forma de medos, daquilo que julgamos ser nossas verdades, o que for. O que diferencia aqueles que enxergam daqueles que simplesmente não querem ver, é a coragem de desnudar a verdade. Olhar claramente pra ela.
Passei alguns meses tendo ataques severos de ansiedade, que beiravam o pânico e me acordavam no meio da noite, com meu coração saindo pela boca. E eu não sabia identificar o porquê. Apesar de ter um motivo, sabia que algo além estava por trás, pois tudo era demais, principalmente pra uma pessoa equilibrada como eu. Até que um dia, sem saber, me ofereceram a verdade. E fui. Com o coração disparado e a boca seca, mas fui. E então vieram as cores. Passei vidas com uma névoa que encobria minha visão, que não me deixava enxergar além. Agora eu enxergo. O caminho não está lá, mas eu o vejo. Basta que eu o construa. E o encha de flores. Muitas flores. Porque o colorido da vida, é a gente que faz.