Ferrugem

Não é que eu não tenha tentado escrever, mas ultimamente sinto que enferrujei. Mentira, não é só ultimamente. É há muito tempo. Enferrujei tanto que esqueci até de ser eu. Esse foi, sem dúvida, meu semestre mais difícil na universidade. E ainda faltam mais três até eu me formar e tentar ganhar minha vida com o que escolhi. Sei que vou conseguir, mas é difícil desenferrujar. Aquele golpe, sujo e injusto, me desentortou. Desentortou tanto que a única solução que achei foi chorar. Pela primeira vez na vida chorei sem medo de ser feliz. Chorei até perder o ar, até sentir que não podia mais continuar. Chorei até desidratar, sem reprimir qualquer lágrima que saía lá do fundo… desse fundo podre de minha alma milenar. Me deixei molhar inteiramente por dentro, até sentir que minhas lágrimas não tinham mais sentido. Me lavei daquelas coisas belas e sujas. Das pessoas belas e sujas. Por ter sido tanto eu. Aliás, foi por ter sido tanto eu, aquele eu errada, que me deixei enferrujar. A gente tem que se reinventar diariamente, sem perder a essência. Me molhei para me desenferrujar. Desenferrujar a vida. Ah, essa vida. Marota. Entortante. Desenferrujante.
Anúncios

Autor: Carolda

Carolina. Canhota, 32, já vivi outras vidas em castelos.

12 comentários em “Ferrugem”

  1. Que saudade que eu tava dos teus posts, amiga! <3
    Num desaparece assim não – olha quem fala, né.

    Eu também me sinto meio enferrujada. Mas uma hora tudo volta ao normal, né?

    <3

  2. Quanto tempo, hein moça? Às vezes também me sinto como se estivesse enferrujando, mas é porque me acomodo demais e depois jogo a culpa na 'falta de tempo'. Espero que você volte mais vezes aqui e tente se desenferrujar.

    E olha, essas crises de choro são muito boas, apesar de doloridas na hora. É como se tirassem toda a sujeira da alma e fizessem nossos enxergar melhor as coisas.

    Beijos, Carolda!

  3. Ferrugem? é isso a palavra certa pro meu momento. Preciso aprender a desenferrujar. E será que a gente consegue? De repente a gente se apega tanto dentro do nosso “eu”, que tudo fica ali estático. Enferrujado.

    Gostei muito do texto. beijo

  4. É dificil colocar as articulações pensantes no lugar.
    Também renasci das cinzas esses tempos.
    Compartilhemos nosso ''desenferrujamento''.

    Um beeeeeijo.

  5. To sentindo como se eu precisasse desenferrujar a vida. Também me sinto cheia de ferrugem depois de um semestre intenso que esgota todas as palavras.

  6. Ah, chorar, colocar tudo pra fora, coisas que precisamos e que nem sabemos que precisamos, tirar aquele peso de dentro da gente e se sentir um pouco mais leves. E depois, acumular todo esse peso, e repetir o ciclo, de novo e de novo. E assim é a vida…

  7. Ando procurando uma nova fórmula para ser eu, para ser alguém melhor, para crescer. Mas é difícil demais, é um passo de cada vez. E chorar as coisas ruins é libertador.

    Beijo.

  8. Ai que bom que você voltou!!! Tal qual o homem de lata em O Mágico de Oz, vc pode até estar enferrujada mas a essência aí dentro deve ser a mesma. Basta só um pouco de óleo e tudo fica desenferrujado de novo.
    Welcome back again.
    Beijos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s